Resenha do Livro Quinze Dias

Quinze Dias não é só um livro infanto-juvenil. Em sua narrativa, Vitor Martins aborda o período de transição iniciado a partir da adolescência, em que surgem diversos questionamentos, desde corpos padrões até sexualidade.

Capa-do-Livro-Quinze-Dias-bermuda-com-pernas-na-piscina
Capa o Livro Quinze Dias

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 

Quinze dias surge com uma temática diferente dos costumeiros livros para jovens, especialmente dentro do mercado brasileiro. Assim, aborda, um universo pouco explorado e extremamente representativo para diversas pessoas.

Com uma narrativa fácil e leve, o autor nos leva a acompanhar a jornada de um tipo de personagem, que por muito tempo dentro do entretenimento, ficou nos bastidores, tendo sua existência completamente esquecida.

Enredo

Felipe é um adolescente de 17 anos, tímido, gay e gordo, que não vê a hora de chegar às tão esperadas férias de verão. Afinal, ele já havia planejado seus dias na companhia de sua mãe, repletos de reality shows, séries e comidas gordurosas. E estar fora do ambiente escolar só melhorava, afinal, não precisaria estar se sentindo constantemente julgado com seu próprio corpo. 

No entanto, todos seus planos vão por água abaixo quando sua mãe conta a novidade, seu vizinho passará Quinze Dias em sua casa. Caio, o vizinho do apartamento 57, fica aos cuidados da mãe de Felipe, pelas próximas duas semanas em que seus pais estão comemorando o aniversário de casamento no Chile.

Apesar de ambos adolescentes discordarem da ideia em questão, os jovens não esperavam pelo o que as pequenas férias lhe proporcionariam. 

Felipe passa então, a ser obrigado a dividir tudo, seja seu quarto ou sua maravilhosa mãe com o novo personagem. Se já era frustrante pelas férias, o fato de ter uma antiga paixonite por Caio acaba piorando tudo. Preso em sua própria bolha de auto isolamento, o narrador acaba ficando cada vez mais inseguro sobre a visão que passa para seu vizinho.

Eu não sou “gordinho” ou “cheinho” ou “fofinho”. Eu sou pesado, ocupo espaço e as pessoas me olham torto na rua.

O que o protagonista não imagina, é que Caio também enfrenta seus próprios conflitos internos, sendo um deles o fato de também ser gay. Só que ao contrário de Felipe, dentro da família de Caio não há aberturas para se falar sobre esse tipo de assunto.

Já que, sua mãe condena sua melhor amiga Becca por ser lésbica, deixando perceptível ao personagem, uma resistência a essa “saída do armário”.

Dado isso, aos poucos, os personagens vão se compreendendo e entendendo as particularidades de cada um. Enxergando com clareza (e terapia) que apesar de não aparentar, todos nós temos medos, inseguranças e resistências, seja sobre os outros ou sobre si mesmo.

A partir disso, vai nascendo uma amizade (e mais tarde amor) repleta de referências pop e apoio afetivo por parte de quem os cercam.

Nossa Opinião

Vitor Martins já nos convida a embarcar na história, inicialmente pela capa do livro, já que, imprime uma das partes mais importantes da obra como ilustração principal: A piscina.

Afinal, como apresentado na narrativa, geralmente, as piscinas marcam o momento em que começamos a questionar nosso corpo. O autor passa então, a conceder uma obra cirurgicamente criada, conseguindo abordar temas complexos como: relacionamento gay, gordofobia, bullying, ansiedade, depressão, aceitação, timidez e até mesmo o amor ao próximo em uma obra particular, com sutilidade e amplitude.

Talvez, o que mais nos tenha encantado no livro, foi o conjunto de situações sérias abordadas com tanta delicadeza, que nos faz verdadeiramente enxergar a dor dos personagens, e inclusive comparar com nossas próprias cicatrizes.

Vitor Martins nos levou a não só questionar sobre corpos, solidão e o medo de ser aceito; como também nos fez rir e sentir parte do enredo, com diversas referências sobre livros, filmes e seriados. Assim, Quinze Dias não se tornou apenas um livro para nós, e sim, uma referência para as futuras obras infanto-juvenis que queremos ter em nossas estantes.


Autor

Autor do Livro Quinze Dias Vitor Martins
Vitor Martins

Autor de Quinze dias, Um milhão de finais felizes e outras histórias, sendo Quinze dias seu primeiro livro publicado. Vitor geralmente escreve livros sobre adolescentes LGBT+ descobrindo o mundo e se apaixonando, e mostra que isso pode acontecer em um apartamento pequeno, uma cafeteria espacial ou em um navio pirata. O escritor acredita que, dentro de cada um, há um milhão de finais felizes esperando para acontecer.


E aí, gostou? Além dessa resenha do livro Quinze Dias, por meio de leitura virtual, também deixamos a opção de você assistir essa resenha lá no Youtube, clique aqui. 

Escrito por:

Letícia Ramos e Victória Escalcon


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima
0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin