POR LUGARES INCRÍVEIS É UMA REFLEXÃO INTENSA SOBRE VIDA E MORTE

Por Lugares Incríveis é uma reflexão profunda sobre como aprender a viver dentro de um cenário de total instabilidade emocional.

Elle Fanning e Justice Smith no set de Por Lugares Incríveis (Foto: Divulgação)

Por Lugares Incríveis é um romance jovem-adulto que fala sobre contrastes de vida e morte em uma narrativa que usa pontos de vistas alternados entre Violet e Finch. Os dois adolescentes do ensino médio estão pensando em suicídio, apesar de terem personalidades opostas. Violet Markey é uma garota popular e sociável, mas está sofrendo em segredo pela morte de sua irmã. A dor é tão intensa que ela pensa em acabar com tudo se jogando da torre da escola.

Theodore Finch sofre por outras razões. Ele é forçado a lidar com problemas de autoestima, um pai violento, uma família complicada e o bullying constante por ser o esquisito da turma. Portanto, ele passa por diversas mudanças de estilo e de humor, buscando mascarar seu sofrimento. Tudo isso leva Finch para a mesma torre que Violet, no mesmo dia e horário.

Por Lugares Incríveis é uma reflexão profunda sobre como aprender a viver dentro de um cenário de total instabilidade emocional. Li todas as páginas em uma madrugada e estava, às 5h da manhã, me afogando em lágrimas, ou seja, é um romance que realmente afeta suas emoções. É incrível como a linguagem do livro faz com que se fique totalmente imerso nos dramas abordados.

A autora Jennifer Niven é capaz de impactar o leitor em seus pontos mais frágeis, já que os personagens da história são extremamente sensíveis e instáveis. É fácil se apegar e sofrer com eles porque, de certa forma, eles são pessoas puras. Conforme o avanço da leitura,  é possível se identificar com alguns problemas e isso gera uma torcida para que a dupla consiga, eventualmente, superar a constante tristeza.

“Dois jovens prestes a escolher a morte despertam um no outro a vontade de viver.”, essa é a melhor frase para descrever o livro. A dupla se ajuda no incidente da torre e, em seguida, são escolhidos para fazer um trabalho de geografia juntos. Um projeto em que eles devem passar “por lugares incríveis” de uma cidadezinha em Indiana, nos Estados Unidos.

Não se engane, o livro é cheio de momentos românticos e fofos mas os personagens são muito mais complexos do que parecem. Atenção, se você não é fã de spoilers, fica aqui o alerta de revelações sobre o enredo a seguir.

Jennifer Niven foi certeira em como finalizar Por Lugares Incríveis, apesar de ter destruído o coração de cada leitor. Essa é uma história sobre como lidar com depressão e suicídio. Não é uma história com um final feliz. Niven é muito realista com o conceito de morte. Ela é honesta sobre o que significa estar vivo. Ela trata do assunto com a propriedade de alguém que encontrou um dos melhores amigos mortos por suicídio. Essa foi a inspiração para o desfecho do livro.

Theodore Finch morre por suicídio no fim da história. É devastador, mas é verdadeiro. Não podemos romantizar a situação de dois jovens que procuravam a morte no início da história. A depressão é uma doença cruel e em casos extremos, como o de Finch, pode acabar com a vida de alguém. Não é fácil para Violet também. Ela ainda estava se curando de um trauma quando o perde, sendo Finch a pessoa que mostrou a ela que existem motivos para se continuar vivendo. Para ela, é inaceitável que ele seja a mesma pessoa tirou sua própria vida.

E isso leva Violet a se questionar: ela não era suficiente para ele? Não, ela não poderia ser. Pois o maior contraste entre os dois é que Finch deu a ela os motivos, a ensinou como viver, fez o bastante para que ela parasse de contar os dias e passasse a vivê-los. Já Violet era o único motivo dele. Ele não consegue encontrar a mesma força dentro de si e perde sua própria batalha interior.

Jennifer estava certa em dizer que o leitor se apaixonaria por Finch e Violet antes mesmo que eles se apaixonarem um pelo outro. Perceber a melhora de Violet, ver os dois passando por lugares incríveis da cidade e conhecendo pontos inimagináveis faz com que o livro seja leve apesar do assunto pesado. Você sente todos os momentos felizes assim como sofre nos momentos mais pesados.

É quase melancólico que a morte de Finch tenha se passado no Blue Hole Lake, já que esse foi um dos lugares mais legais e importantes que os dois visitaram juntos. De alguma forma, Violet sabia que ele estaria lá e isso é ainda mais devastador e trágico. Ela sente que de alguma forma poderia ter salvado o garoto a que ajudou a viver, ou seja, ela sente que falhou com Finch.

Por Lugares Incríveis ainda tem mais uma carta na manga. Uma adaptação original Netflix, que se feita com cuidado, será uma importante produção audiovisual para temas como suicídio, depressão e autoaceitação. O elenco já foi escolhido e contará com Elle Fanning como Violet e Justice Smith como Finch.

O filme ainda não tem previsão de estreia, mas a narrativa é muito relevante dentro dessa temática e tem potencial para incentivar o combate contra o suicídio de forma responsável.

 

 

Livro:

comum-por-lugares-incriveis

Por lugares incríveis
Jennifer Niven
Editora Alfred A. Knopf
336 páginas

3 comentários em “Por lugares incríveis é uma reflexão intensa sobre vida e morte”

  1. Legal essa história deve ser comovente mesmo! Mas eu não consigo chorar lendo livro de forma alguma… E raramente choro com filmes…

    1. E esse filme foi feito mesmo para acabar com o suicidio das pessoas. Já que todos estão começando à ter a famosa doença do século 21… E aliás, muitos estão entrando em melancolia extrema por causa desses tempos de quarentena… Deus abençoe você o Blog seu, Obrigado por disponibilizar comentários nesse blog maravilho, Obrigado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima
0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin