RESENHA DO LIVRO O APANHADOR NO CAMPO DE CENTEIO

Um texto que vai te provocar a ler O Apanhador no Campo de Centeio, um “rebelde sem causa” que causou ao lançar duras críticas contra a sociedade de 1950.

A ilustração de como seria Holden e seu famoso capuz vermelho

O Apanhador no Campo de Centeio? Sério? Bom se você está pesquisando sobre esse livro ou você quer uma ajuda para ver se entendeu ou saber se vale a pena tentar começar uma das histórias mais famosas do mundo. O livro escrito por J. D Salinger na década de 50 com o título de “The Catcher in the Rye” é um romance em prosa. Mas não é um simples romance. É uma crítica, um desabafo que chega até ser considerado, por alguns autores, como um texto filosófico. 

O livro é divido em 25 capítulos e narrado em primeira pessoa por um narrador 100% ativo na história. O texto é marcado por diálogos, reflexões, críticas e é conduzido por uma linguagem simples.

Se você se interessa por O Apanhador no Campo de Centeio, precisa saber que ele é um dos romances mais importantes da história. É um clássico da literatura inglesa, um livro que marcou gerações e revolucionou a literatura juvenil. E que por mais que o título seja O Apanhador no Campo de Centeio, o romance é extremamente urbano. 

O livro 

Inicialmente você o vê como um livro que fala especificamente sobre um final de semana na vida de um menino, que na época havia 16 anos. Afinal, quando narra o flashback, Holden Caulfield já completou 17. O garoto que é descrito (por ele mesmo, basicamente) como problemático, com dificuldades para amadurecer, para fazer amizades, para se encaixar e como uma pessoa bastante solitária. Praticamente um rebelde sem causa.

Veja, tudo começa quando Holden descobre que vai ser expulso mais uma vez. O garoto, decide então, visitar um professor antes de voltar para casa. É essa conversa que marca o início da trajetória do adolescente de Nova York. O narrador de O Apanhador no Campo de Centeio já tinha sido expulso de várias escolas, mas por conta de suas notas, faltas e mau comportamento, foi convidado a se retirar de mais um colégio, o Pencey. Essa notícia foi dada à ele um certo tempo antes do natal e por isso ele tem um final de semana livre antes de voltar para casa e dar a má notícia aos pais. 

A história do apanhador no campo de centeio se passa nos Estados Unidos. E  esse fim de semana do inverno Americano, em Nova York, muda a vida do adolescente. Acredite se quiser, o livro inteiro se baseia nesses dois dias. Começa com o almoço de sexta e termina com o almoço de segunda. Mas acredite, esses dias são marcados por várias reflexões. Várias críticas e devaneios filosóficos. 

Detalhes

São nos pequenos detalhes dos passeios e das experiências que ele vive em uma das maiores metrópoles do mundo que surgem a base desse romance. O Apanhador no Campo de Centeio nada mais é do que os pensamentos de Holden. 

Enquanto viaja, Holden não para de pensar no seu irmão mais velho, na irmã mais nova e em como vai dar a notícia para os pais. E é em meio a lugares impróprios, brigas, bebedeiras, encontros com prostitutas, com a ex-namorada e com um ex-professor, Holden busca entender e se encontrar no mundo. 

O Apanhador no Campo de Centeio, na época de seu lançamento chegou a ser muito criticado. As pessoas da década de 50 achavam o livro um ataque aos bons costumes. E por mais que algumas vezes, as pessoas enxerguem o garoto de 17 anos como uma pessoa mimada, Holden é muito mais do que apenas um desajustado. Muitas são as cenas em que se é possível perceber a sua doçura e o medo de crescer e amadurecer.

Era assim como Holden se imaginava

Linguagens e questões

Neste livro, o autor Jerome David Salinger ou simplesmente J. D. Salinger decide dar 100% do poder e de voz para a personagem. Tanto que essa liberdade, concedida pelo autor, faz com que O Apanhador no Campo de Centeio tenha uma linguagem extremamente leve.

Gírias, expressões informais e a fuga de palavras complexas são uma das marcas desse romance. Entretanto, vale lembrar que, não é porque o livro foi escrito de uma forma mais leve que isso torna a leitura mais fácil. Muito pelo contrário. O conteúdo do livro é bem “robusto”. O Apanhador no Campo de Centeio se trata de uma crítica pesada à sociedade da década 50, mas sinceramente, está mais atual do que nunca.

Questões como sexo, moral, homossexualidade, hipocrisia, educação, sistema de escolas e religião não fogem ao imaginário e a fala de Holden. Foi isso o que assustou a maioria das pessoas em 1951, mas ainda pode mexer com algumas pessoas, mesmo em 2019.

Curiosidades sobre o Apanhador no Campo de Centeio

Por mais que o autor de O Apanhador no Campo de Centeio seja um dos mais famosos de todos os tempos. J. D. Salinger sempre foi um cara muito reservado, não gosta dos holofotes e passou boa parte da vida sendo recluso.

JD. morreu em 2010 com 91 anos e lúcido. O autor também nunca permitiu que sua obra fosse adaptada ao cinema. Ele acreditava que o livro não ficaria bem como um filme, mas mesmo assim a escrita dele inspirou bastantes os roteiristas. O filme “Juventude Transviada” é apenas um exemplo disso. 

O título do livro é “O Apanhador no Campo de Centeio” porque Holden via a vida como um grande campo. As crianças, entretidas correndo pela plantação não conseguem ver quão ruim é o mundo dos adultos, por isso o sonho do personagem é ser a pessoa que ajude a manter as crianças dentro do campo. 

Leia outras resenhas:
Resenha 1984: George Orwell
A Revolução dos Bichos – Resenha
Os Miseráveis:Uma história de luta, esperança, sonho e amor

 

 

Livro:

comum-O-Apanhador-no-Campo-de-Centeio

O Apanhador no Campo de Centeio
 J. D. Salinger
Editora do Autor
250 páginas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima
0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin