Resenha do livro O amanhã não está à venda : um olhar sobre a pandemia

O amanhã não está à venda é um livro que trás reflexões e análises sobre a pandemia na perspectiva do índio Ailton Krenak.

Livro aberto com um buquê de flores e um óculos

 

O amanhã não está à venda é um texto que reúne três entrevistas dadas por Ailton Krenak, realizadas durante a pandemia do coronavírus.  Ao decorrer das páginas, nos deparamos com o olhar de alguém que sente na pele a devastação da natureza, o que evidenciou a incerteza do amanhã. Por isso, o amanhã não está à venda.

A pandemia fez com que ficássemos dentro de casa para respeitar o isolamento social, na tentativa de diminuir o contágio do coronavírus. Contudo, essa situação de viver encurralado no próprio território devido à ameaça de extinção do próprio povo, já é uma realidade para a aldeia Krenak e para os povos indígenas há muito tempo, o que é evidenciado no livro. Então, o autor aponta que as atividades humanas estão devastando o planeta, já que reforçam o pensamento de que estamos separados da natureza.

 Em O amanhã não está à venda,  podemos compreender que o vírus é um organismo da Terra que parece querer se separar da humanidade da mesma forma que fizemos com o meio ambiente, já que ele ataca apenas os humanos. Somente nós estamos em pânico com essa situação. “A natureza segue”.

Assim sendo, o autor de O amanhã não está à venda alerta que a humanidade não faz falta na biodiversidade e que a pandemia é um pedido da natureza para que fiquemos em silêncio, nos recolhamos para repensar nosso estilo de vida.

 Logo, não podemos passar por essa crise, pagando um preço tão alto, para continuarmos insistindo nos erros que abalam o meio ambiente e a nossa existência. Esse caos foi o tranco necessário para direcionar nossos olhares para o que realmente importa. Não podemos voltar à “normalidade” que nos colocou nessa situação, nem nos deixar ser convencidos da existência do “depois”. O amanhã não está à venda.

 

 

Sobre o Autor de O amanhã não está à venda:

Capa do livro O amanhã não está à venda

 Ailton Krenak nasceu na região do vale do Rio Doce, território do povo Krenak. É ativista do movimento socioambiental e de defesa dos direitos indígenas, realizando um importante trabalho educativo e ambientalista.  Inclusive, O amanhã não está à venda é um dos livros de uma coleção que expõe reflexões do autor sobre a pandemia.

2 comentários em “O amanhã não está à venda: um olhar sobre a pandemia”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima
0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin