ESTAÇÃO CARANDIRU, DE DRÁUZIO VARELA. CONFIRA A RESENHA.

Dráuzio Varella está longe de ter escrito apenas um relato. Em “Estação Carandiru” ele conta os detalhes, a vida, como viviam e pelo o que passaram os detentos de uma das maiores Casas de Detenção do país.

banner-estação-carandirubanner-estação-carandiru

Estação Carandiru, escrito pelo médico Drauzio Varella, é um relato do oncologista acerca de sua experiência ao longo dos dez anos em que foi voluntário no maior presídio do Brasil. Dividido em pequenos capítulos, o livro-reportagem relata a história de muitos dos presos que se encontravam no presídio. Dráuzio, ao longo do livro, também nos mostra o quão falho o sistema carcerário brasileiro é, deixando claro que está longe de ser algo que cause uma espécie de redenção de quem se encontra preso. O médico relata a – falta de – organização do Carandiru, que resulta em sistema carcerário comandado pelos próprios presos.

Muito mais do que apenas relatar o que e como aconteciam as coisas no Carandiru, Dráuzio traz as experiências médicas e pessoais que vivenciou ali dentro. Ele nos conta, por exemplo, como era respeitado pelos presidiários e como, muitas vezes, faltavam-lhe recursos para que o atendimento fosse eficaz. A prevenção de doenças como a AIDS também é muito retratada no livro, passando ao leitor uma sensação de que não havia mais saída sem a ajuda do governo.

Dráuzio faz relatos mais simples e mais profundos ao longo das 200 páginas do livro. Personagens como Sem-Chance, por exemplo, aparecem em vários capítulos. Isso, de certa forma, mostra a proximidade do escritor com os presos, além de quebrar a barreira entre o médico e o paciente. Dráuzio se mostra, mesmo que discretamente, envolvido com os homens com quem conviveu ao longo desses 10 anos. Alguns relatos são de arrepiar, já que o médico não apenas conta e descreve, mas humaniza cada um dos personagens.

Ao longo dos mais de trinta capítulos, Dráuzio mostra como vivem, o que sofrem e o que sentem os moradores da Casa de Detenção. O médico expõe os sofrimentos de quem foi condenado, muitas vezes, a morrer na prisão, além de expor as crises de um sistema falho onde doenças dificilmente são prevenidas ou curadas. Expondo o sistema carcerário brasileiro extremamente falho, Dráuzio Varela está longe de ter se envolvido apenas com os presidiários. Ele conta a história dos agentes, dos delegados, das famílias dos presos e de quem mais pudesse frequentar a Casa.

O famoso massacre da Casa de Detenção do Carandiru não é e está longe de ser o foco do livro. Dráuzio quer humanizar os personagens muitas vezes esquecidos pela sociedade. Dessa forma, é visível que o massacre deixou o médico desolado, mas ele se manteve em postura para criticar e continuar sua missão de zelar pela causa.

 

Livro:

comum-estação-carandiru

Estação Carandiru
Drauzio Varella
Editora Companhia das Letras
368 páginas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima
0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin