RESENHA LIVRO: E NÃO SOBROU NENHUM – AGATHA CHRISTIE

E não sobrou nenhum, romance policial de Agatha Christie, embora publicado em 1939, ainda conquista leitores no mundo todo. Veja a resenha da obra aqui!

pt-banner-e-nao-sobrou-nenhum

Tendo o título alterado de “O caso dos Dez Negrinhos” para “E não sobrou nenhum” esse romance policial de Agatha Christie, embora publicado em 1939, ainda conquista leitores no mundo todo. Aliás, este é considerado o livro mais famoso de sua carreira e contém o atributo principal que todos os outros livros da autora também possuem: mistério e suspense.

A história de “E não sobrou nenhum” começa com a apresentação de dez personagens que aparentemente não possuem nada em comum e nenhuma conexão entre si, aliás, são bem diferentes e singulares. A trama em si inicia quando todas essas figuras são convidadas para passar alguns dias na Ilha do Soldado, a convite de um anfitrião muito peculiar, que não aparece em momento algum. Por algum motivo que somente Agatha Christie poderia nos explicar, as dez personagens aceitam o convite, mas o que eles encontram em seus quartos é o que sustenta e desenvolve a história.

Em seus dormitórios há um poema chamado “E não sobrou nenhum”, assim como chama o livro, o qual conta a história de dez soldados (como o nome da ilha!) que foram morrendo um a um nas mais diversas condições e tipos. Além disso, na sala de estar da casa há um tabuleiro com dez soldadinhos de porcelana.

Poema ‘E Não Sobrou Nenhum’

Dez soldadinhos saem para jantar, a fome os move;

Um deles se engasgou, e então sobraram nove.

Nove soldadinhos acordados até tarde, mas nenhum está afoito;

Um deles dormiu demais, e então sobraram oito.

Oito soldadinhos vão passear e comprar chiclete;

Um não quis mais voltar, e então sobraram sete.

Sete soldadinhos vão rachar lenha, mas eis;

Que um deles cortou-se ao meio, e então sobraram seis.

Seis soldadinhos com a colmeia, brincando com afinco;

A abelha pica um, e então sobraram cinco.

Cinco soldadinhos vão ao tribunal, ver julgar o fato;

Um ficou em apuros, e então sobraram quatro.

Quatro soldadinhos vão ao mar; um não teve vez;

Foi engolido pelo arenque defumado, e então sobraram três.

Três soldadinhos passeando no zoo, vendo leões e bois;

O urso abraçou um, e então sobraram dois.

Dois soldadinhos brincando ao sol, sem medo algum;

Um deles se queimou, e então sobrou só um.

Um soldadinho fica sozinho, só resta um;

Ele se enforcou,

E não sobrou nenhum.

Além do fato extremamente estranho do anfitrião nunca dar às caras na casa (nem mesmo a Mr. e Mrs. Rogers, os mordomos) e o poema aterrorizante no quarto de todos os hóspedes, há ainda o fato de a ilha ser totalmente isolada e na primeira noite todos ouvirem por um sistema de áudio instalado na casa, acusações contra TODOS os hóspedes! E esse é o pontapé inicial que Agatha Christie, a Rainha do Crime, utiliza para que uma onda de inseguranças e medos tome conta de todos os personagens.

Por dentro da cabeça da autora

Em “E não sobrou nenhum”, Agatha Christie nos mostra como o medo e a denúncia de crimes pode influenciar no comportamento humano. Todos os hóspedes começam a ficar cada vez mais com medo e individualistas, acreditando que todos ali seriam possíveis dos crimes que foram denunciados, e assim, viram-se uns contra os outros. Esse individualismo só facilita o trabalho do assassino em matar um a um conforme o poema manda, deixando todos ainda mais aterrorizados e pensando a todo momento “Quem será o próximo?” “Será eu?”. Além de todo o terror instaurado na casa por essas ações, cada vez que um personagem morre, um soldado de porcelana desaparece, enlouquecendo os outros personagens.

Essa não é a primeira vez que Agatha Christie impressiona o público com sua obra. “E não sobrou nenhum” é sua história de maior sucesso, mas há muitas outras que seguem na mesma linha policial e atraem muita atenção de todos, até os dias atuais. O leitor fica o livro inteiro tentando saber quem está por trás das mortes, seria o anfitrião que nunca apareceu? Os criados que já estavam na casa antes dos convidados chegarem? Ou um dos próprios convidados infiltrados? Enquanto devoramos a obra tentando responder essas perguntas, Agatha Christie coloca pistas para descobrirmos. O fim da narrativa é surpreendente, o livro é considerado o melhor romance policial de todos os tempos.

O sucesso de “E não sobrou nenhum” foi e é tanto, que a BBC produziu uma minissérie adaptando o livro. Confira esse pequeno trecho:

Ficou curioso (a) e quer adquirir o livro? Compre aqui: https://amzn.to/2pt8ru5

Confira resenhas de outras obras em: https://www.meucatalogodelivros.com.br/

 

Livro:

pt-comum-e-nao-sobrou-nenhumjpg

E não sobrou nenhum

Agatha Christie 
Editora Globo Livros
400 páginas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima
0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin