RESENHA SOBRE O LIVRO “A HOSPEDEIRA” É MELANIE OU PEREGRINA?

Nessa nova série da Stephenie, nosso planeta está dominado: os humanos estão sendo abduzidos por seres que usam nossa carne como hospedeira – as Almas.

banner-do-filme-a-hospedeira

Nessa nova série da Stephenie Meyer, A Hospedeira, nosso planeta está sob ataque: os humanos estão sendo dominados por alienígenas invasores que se hospedam em nossos corpos e assumem as nossas vidas – as Almas. Incapazes de serem violentos, de realizarem crueldades e de mentirem, os parasitas acreditam que estão fazendo isso pelo bem maior, para cuidar melhor do nosso planeta. Porém os humanos perceberam a invasão e criaram algumas resistências. Melanie Stryder é uma humana que ainda não foi capturada e que está fugindo com seu pequeno irmão Jamie e seu namorado Jared, a quem ela ama com todas as forças. Mel, porém, acaba sendo capturada e Peregrina é a alma designada para o corpo dela.

O que ninguém esperava, nem a própria Peregrina, era que Melanie resistisse e se recusa a simplesmente sumir e deixar a invasora assumir a sua mente e seu corpo. Esse é um dos motivos pelo qual dá uma certa preguiça do livro no começo: leva um tempo pra gente se acostumar com o ritmo diferente. É um mundo novo e a autora não poupou páginas – nem imaginação – para explicar como tudo funciona.

Acompanhamos então a batalha interna entre Mel e Peregrina, duas consciências convivendo em um só corpo. Melanie faz o que pode para proteger Jared e Jamie, mas não consegue deixar escapar alguns de seus sentimentos mais arrebatadores, que acabam influenciando Peregrina, transformando as duas em aliadas improváveis, até mesmo amigas.

Obviamente o livro gira grande parte de seu tempo em torno do romance, mas é algo diferente, que vai além de aparências e da superficialidade. A autora aborda variados tipos de amor diferentes. Uma das coisas mais interessantes que Meyer fez nesse livro, foi colocar todas as emoções humanas em um microscópio para análise.

A forma como Peregrina se espanta com a quantidade de sentimentos diversos que ela sente ao mesmo tempo em algumas situações e a repulsa que ela sente em outros momentos quando sente ódio, raiva ou inveja, mesmo sabendo que ela está errada, nos faz pensar e até mesmo rir de nós mesmos ao longo do livro. É engraçado ver a personagem analisar o comportamento humano e lidar com ele. Raiva, compaixão, dor, amor, a hospedeira de Melanie sente tudo de forma extrapolada, tornando tudo muito intenso.

O que eu mais gosto nesse livro são os personagens. A resistência humana é formada por tantos personagens diferentes, e, cada um deles ao longo do livro vai se tornando especial pro leitor por variados motivos. Tio Jeb e sua curiosidade insaciável, a sinceridade infantil de Jamie, a incredulidade de Jared, a fofura de Ian, o jeito brucutu do Kyle: eu sofri, concordei, discordei, torci (a favor e contra) de cada um deles. São personagens muito próximos da realidade, palpáveis, o que os torna ainda mais queridos.

Me apaixonei completamente: pelo enredo, pelos personagens, pela mensagem que a autora passa e pelas lições que a gente tira do livro. Se você se decepcionou que nem eu e largou o livro no meio, dê uma segunda chance. Da metade pra frente do livro a Stephenie tem uma história linda pra contar pra você.

Agora é esperar ansiosamente pelas continuações. Esse livro foi adaptado para o cinema e chega dia 29 de março desse ano às telonas brasileiras com Saoirse Ronan no papel de Melanie/Peregrina, Max Irons como Jared Howe e Jake Abel no papel de Ian O’Shea. Estarei lá na pré-estreia e você? Dá uma olhada no trailer desta maravilha aqui!

 

 

Livro:

comum-a-hospedeira

A Hospedeira
David Nicholls
Editora Intrínseca
560 páginas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima
0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin